Começa júri popular de policial penal que matou companheira em Rio Branco

O policial penal Quenison Silva de Souza começou a ser julgado nesta terça-feira

Por Iryá Rodrigues, G1 AC O policial penal Quenison Silva de Souza começou a ser julgado nesta terça-feira (3) para responder pela morte da companheira Erlane Cristina de Matos, de 35 anos. O julgamento ocorre na 1ª Vara do Tribunal do Júri, em Rio Branco.

Erlane foi morta com um tiro na cabeça em março deste ano na casa do casal, no bairro Estação Experimental, na capital. O casal brigou depois de chegar da casa de um amigo. O sobrinho de Erlane, de 13 anos, que estava passando uma temporada com o casal, ouviu a briga e é testemunha no processo.

O acusado foi denunciado pelo Ministério Público do Acre pelo crime de homicídio qualificado por feminicídio.

Ao determinar que o júri fosse marcado, a juíza Luana Campos destacou que as provas comprovaram que o policial é o responsável pela morte da companheira. Além disso, a juíza acrescentou que ficou comprovado que o crime foi praticado com motivo torpe, uma vez que o acusado teve uma crise de ciúmes e matou a mulher.

Ao todo, nove testemunhas devem ser ouvidas durante o julgamento desta terça, sendo cinco de acusação e quatro de defesa, além do acusado.

No último dia 24 de julho, o servidor público foi interrogado na primeira audiência de instrução e julgamento do caso. Por conta da pandemia do novo coronavírus, a audiência ocorreu por videoconferência.

Tiro acidental
O advogado do policial, Maxsuel Maia, informou que a defesa vai pedir a absolvição dele no júri popular. A alegação é que a morte de Erlane ocorreu após um tiro acidental dado pelo marido.

“Não defenderemos outra tese que não seja a tese do disparo acidental e nós vamos pleitear a absolvição perante o conselho de sentença. Não é que seja nossa tese principal, é a nossa única tese. Foi um fatídico episódio ocasionado por um disparo de arma de fogo”, afirmou Maia.
O servidor público permanece preso no Complexo Penitenciário de Rio Branco, desde o dia do crime. Ele chegou a ser internado no Hospital de Saúde Mental (Hosmac), mas a Justiça determinou que ele voltasse ao presídio.

Relembre o caso
Quenison Silva de Souza foi preso no dia 12 de março e indiciado por feminicídio por matar a companheira, Erlane Cristina de Matos, de 35 anos, com um tiro na cabeça. O crime ocorreu na noite de 11 de março na casa do casal no bairro Estação Experimental, na capital acreana.

À polícia, Souza afirmou que o tiro foi acidental. O policial foi denunciado pelo Ministério Público do Acre (MP-AC) à Justiça pelo crime de feminicídio.

Deixe seu comentário

comentários