Alan Rick diz que saída de cubanos do Mais Médicos abre espaço para os brasileiros formados no exterior

O deputado federal reeleito pelo Acre, Alan Rick (DEM), ficou conhecido nacionalmente por sua defesa dos médicos brasileiros formados no exterior.

Rick foi o autor da emenda que possibilitou a participação, no programa, dos médicos brasileiros formados no exterior. Com isso, hoje cerca de 4 mil médicos brasileiros formados no exterior trabalham no Mais Médicos, desses, cerca de 400 são acreanos.

Recentemente, o parlamentar conseguiu aprovar um texto de sua autoria no Projeto de Lei do exame Nacional do Revalida. A emenda de Alan Rick apresentada na CCJ da Câmara, e acatada no parecer do relator, estabelece a obrigatoriedade de pelo menos dois exames do Revalida por ano.
“Hoje mal se consegue concluir um exame anual. Para se ter uma ideia, o Revalida 2018 não pode ser realizado porque não houve a segunda etapa do Revalida 2017”, revela o deputado.

Com o anúncio, pelo governo cubano, da saída de seus médicos do programa, Alan afirma que enfim, a lei 12.871/13 poderá ser devidamente aplicada.

“A Lei estabelece a regra de prioridade de chamamento nos editais. Primeiro os médicos formados no Brasil. Como eles nunca preenchem as vagas, faz-se a chamada para os médicos formados no exterior.
Esses atendem o clamor dos municípios carentes, pois querem muito trabalhar”, diz o parlamentar.

A renúncia do governo cubano ao programa também revela o regime desumano de trabalho a que são submetidos os médicos cubanos.

Pelo convênio com a OPAS, os intercambistas da ilha de Fidel recebem uma “ajuda de custo” que varia entre R$ 1.500 e R$ 3.000. Uma miséria comparada ao valor da bolsa: R$ 11.500,00 que deveria ser integralmente paga a todos os médicos participantes.

“O convênio celebrado pelo governo do PT com a OPAS é desumano. O salário dos médicos cubanos é enviado a Cuba para financiar a ditadura castrista”, afirma o deputado.

De fato, os números do Ministério da Saúde revelam o tamanho do rombo: de 2013 a 2017, foram enviados a Cuba cerca de R$ 7,1 bilhões.
Parlamentares da base de Jair Bolsonaro já prometem instaurar a CPI do Mais Médicos pra investigar um suposto esquema de Caixa 2 para as campanhas do PT, oriundos dos recursos do Mais Médicos.

Assessoria

Deixe seu comentário

comentários