3ª fase da Operação Sinapse prende 13 membros de facção no Acre

A Polícia Civil do Acre, por meio da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco), deflagrou nesta quinta-feira

A Polícia Civil do Acre, por meio da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco), deflagrou nesta quinta-feira, 15, a terceira fase da Operação Sinapse, que vem desarticulando organização criminosa no Acre e em outros estados brasileiros. Ao todo foram cumpridos 30 mandados judiciais e 13 pessoas pesas por integrar organização criminosa no estado, além de São Paulo e também no Amapá. Na capital acreana, os mandados foram cumpridos em vários bairros, principalmente na área do Segundo Distrito e ainda no Complexo Penitenciário de Rio Banco.

Leia também: “Justiceiras” de São Paulo deram ordem de execução de integrante do B13 no Acre

Um ocorreu no Estado do Amapá. Além das prisões, as ordens judiciais visam a coleta de provas da prática dos mais diversos crimes, principalmente homicídios, além de roubos. No Estado de São Paulo foi dado cumprimento a duas ordens de prisão, em desfavor de mulheres que determinaram o assassinato da jovem Kesia Nascimento, em janeiro do corrente ano. As 13 pessoas detidas também serão responsabilizadas pela prática de outros crimes, cujas provas foram coletadas durante a investigação.

A organização criminosa, segundo a polícia, agia dentro do território acreano que tinha ramificações em outros estados. O trabalho investigativo da Polícia Civil do Acre durou cerca de seis meses, contou com apoio das polícias civis de outros estados, o que possibilitou a identificação dos alvos com ligações criminosas que agiam dentro e fora do presídio, em diversos estados da federação.

Ao portal Agência de Notícias do Acre, o delegado coordenador da operação policial, Pedro Paulo Buzolin, agradeceu o apoio do Ministério da Justiça, Sejusp [Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública], Iapen [Instituto de Administração Penitenciária] e da Polícia Civil dos estados de São Paulo, Amapá e Rondônia, que compartilharam informações que subsidiaram as investigações e a logística da operação.

Fonte- ac24horas

Deixe seu comentário

comentários